La versión de su navegador no está debidamente actualizada. Le recomendamos actualizarla a la versión más reciente.

 A ESTÁTUA DE LUIS DE MORALES

A estátua de Luis de MoralesA estátua de Luis de Morales

 

A estátua, feita em bronze por Gabino Amaya, foi colocada em 1925 por subscrição popular. No pedestal da mesma, podemos encontrar “La Piedad”, nome de uma obra da sua autoria que a Catedral de Badajoz acolhe no seu interior.

Figura fundamental da pintura da nossa cidade, desconhece-se a data e o lugar de nascimento, no entanto vem-se afirmando que nasceu em Badajoz no ano de 1509.

Também é desconhecido o seu processo de formação como artista, apesar da sua pintura manifestar influências italianas e flamengas, não se pode precisar como foi o seu processo de aprendizagem. Porém, em 1532, Luis de Morales, apelidado “O Divino”, era já um pintor reconhecido e com atelier aberto em Badajoz. No ano de 1546, trabalhou para o “Hospital de la Concepción”. Um dos quadros pintados para este hospital intitula-se a “Virgem do Passarito”.

Morales é um pintor maneirista que soube expressar muito acertadamente a espiritualidade da sua época. Os seus quadros foram muito apreciados, desenvolvendo uma grande atividade tanto na região da Extremadura, como em Castela, Andaluzia e no reino de Portugal.

Atribui-se o ano da sua morte a 1586, apesar da inexistência de certezas, sendo enterrado no desparecido “Hospital da Piedade”, situado em frente ao Palácio Episcopal.

Bastante valorizada e reconhecida no seu tempo, a sua obra foi muito criticada nos séculos posteriores. Na atualidade, a figura de Luis de Morales está a ser bastante reivindicada e o seu espólio já conta com um devido lugar na história da arte “extremeña” e de Espanha.